Conecte com a gente!

Editorial

Distanciamento controlado entra na fase política

Publicado

em

Nesta semana, o modelo de Distanciamento Controlado, criado pelo governo do Estado em maio, passou claramente para a etapa “política”. Isso porque, após inúmeras contestações de prefeitos todas as semanas, o governador aprovou novas mudanças e regras menos restritivas para as regiões de bandeira vermelha, permitindo abertura em horário reduzido do comércio não essencial, restaurantes e parte dos serviços. As mudanças não foram pacíficas, pois há o embate técnico x político dentro do governo. Anunciado como uma inovação de combate ao novo coronavírus, o modelo começou a ser implementado com uma rigorosa estrutura de cruzamento de dados e indicadores. Mas, com o passar do tempo, os dados técnicos foram perdendo cada vez mais espaço para as contestações sucessivas de prefeitos, as pressões de entidades empresariais e as reclamações de deputados e lideranças políticas aliadas.

Com intuito de diminuir as reclamações, o governador começou a realizar flexibilizações sucessivas, mesmo contra os pareceres técnicos definidos para as regiões do Estado. Mas, ao invés de acalmarem prefeitos e setores produtivos, elas fizeram aumentar as pressões. Conforme alguns deputados aliados, apesar do carisma e da segurança com que vem conduzindo o enfrentamento à pandemia, o fato do governador não pertencer a uma sigla estruturada o suficiente no Estado para fazer frente as outras grandes, faz com que ele não tenha alta popularidade nos municípios de oposição. Por melhor que seja uma política, qualquer governante precisa ter onde se apoiar.

Esse vai e vem na mudança de cores das bandeiras, mostra claramente que ganha quem “fala mais alto” e tem mais poder e influência junto ao governo, principalmente por intermédio dos deputados, que detém sua base eleitoral nas grandes cidades do interior do Estado. O modelo de Distanciamento Controlado, no início muito aplaudido por todos, agora está desgastado.

Em ano de eleições municipais era quase óbvio que os prefeitos não aguentariam a pressão dos empresários e comerciantes. No entanto, também não querem a responsabilidade total para si. É difícil governar diante de tanta pressão e insatisfação da população, mas o que vemos hoje é um Rio Grande do Sul totalmente dividido, entre aqueles que são a favor da retomada da “vida normal” e aqueles que acham que ainda não é hora de relaxar as medidas e protocolos de prevenção.

Quando a vida vai voltar ao normal, não sabemos. Só esperamos que seja logo.



Copyright © 2021 Jornal Integração.