Conecte com a gente!

Capivari do Sul

Vereadores rejeitam pedido de estudo sobre o uso do tratamento precoce à Covid

Publicado

em

Os vereadores de Capivari do Sul reprovaram o Pedido de Providências que solicitava ao Executivo a realização de um estudo para que a comunidade tenha a opção de realizar um tratamento preventivo para a Covid-19. O pedido n° 40/2021, de autoria do vereador Jesuelo Silva, indica ainda que o tratamento seria feito mediante assinatura de termo de compromisso do paciente. Votaram contra o pedido os vereadores Geovane Silveira, Manoel Dias, Cristina Bueno e Fabiano Homem. A favor, além de Jesu, foram Elis Bueno, Tatiane Kestering e Renato Leal. A presidente da Casa Fabiana Costa desempatou a votação, sendo desfavorável ao pedido.

O autor do Pedido de Providências lembrou que em momento algum disse que pretende receitar medicação para a comunidade, e sim, que todos tenham o direito de escolha do tratamento. “Solicito ao Executivo Municipal que seja feito um estudo para saber da viabilidade de nossos moradores poderem ter a opção do tratamento preventivo com ivermectina e precoce com medicações como cloroquina, azitromicina, zinco, vitamina D, etc, para covid-19, mediante assinatura de termo de compromisso pelo paciente”, disse Jesu.

O progressista ainda ressaltou que este tratamento precoce já vem sendo adotado em outros municípios. “Em muitos municípios que o tratamento precoce está sendo implantado os resultados têm sido muito além do satisfatório, e muitos moradores de nossa comunidade já fizeram uso deste tratamento e tiveram ótimos resultados. Peço que o Executivo tenha uma sensibilidade para verificar aqui no município vizinho em Capão da Canoa, o método Coimbra que também vem crescendo entre os médicos, sendo um tratamento indicado barato e eficaz”, comentou.

A vereadora Elis Bueno fez uma breve explanação sobre estudos e experiências de outros municípios que aderiram o procedimento. “O que estamos pedindo hoje é um estudo de viabilidade para que isso ocorra em nosso município. Não podemos lavar as mãos e simplesmente dizer que é ideologia política. Um médico em Palmares, em consulta que tive, disse que os médicos de Capivari estão brincando com a vida as pessoas. Não podemos ter em nosso posto médicos que pensam diferente, que todos podem receber o mesmo tratamento”, comentou Elis.

Cristina Bueno, em sua fala, disse que não pode ir contra a conduta médica. “Não sou eu, vereador, que devo interferir na conduta médica. Não existe estudos que comprovem esse kit covid. Mundialmente procuramos respostas. Hoje eu tenho seis casos de covid na família. Todos tomaram a mesma medicação, usando medicamentos precocemente, e três deles tiveram complicações. Nenhum corpo responde igual ao outro. Tem cidades que estão respondendo processos por distribuir o famoso kit. Tiveram que retirar. O médico é quem deve receitar qualquer tipo de medicação”.

Manoel Dias comentou que este estudo que estão pedindo não é de competência do município. “Esse estudo tem que ser feito lá em cima, pelo Ministério da Saúde, Conselho de Medicina, Anvisa, Organização Mundial da Saúde. Cada um toma o quer, mas não podemos autorizar qualquer coisa. Acredito em Deus e na vacina”, disse.

Renato Leal lamentou que a discussão tenha entrado em ideais políticos. “Muita falta de respeito pelas pessoas que estão assistindo em casa. Era simplesmente uma votação de um pedido de providências de um estudo, e virou um discurso político com acusações graves. O assunto é sério, pessoas perdendo familiares. Estou envergonhado. A politicagem mata. Temos que buscar soluções sim, mas com respeito e união”, relatou Leal.

O líder da bancada do PDT na Câmara, Geovane Silveira, comentou que cabe ao médico prescrever o tratamento que o paciente deve seguir. “Eu não sou contra o tratamento precoce ou ao kit covid, muito menos o Executivo. O que eu penso é que quem deve prescrever a medicação é o médico. Cada um tem a sua profissão aqui e não podemos nos meter na dos outros, querer interferir. Todos esses medicamentos que você citou do kit covid, exceto o zinco e vitamina D, que são manipulados, estão disponíveis na farmácia municipal. Não sou eu que devo dizer o que a comunidade deve tomar, e sim o médico. Isso é ética”, comentou Silveira.

A vereadora Tatiane Kestering disse ser a favor do pedido, pois usou do tratamento precoce e acredita que foi fundamental em sua recuperação. “Eu e meu marido fizemos do tratamento imediato e penso que isso foi fundamental para nossa recuperação, já que temos histórico de doenças respiratórias. Se não tivéssemos tomado, ido atrás da medicação, a coisa poderia ter piorado. Então sou a favor deste pedido. Não estamos querendo prescrever os medicamentos, mas sim que todos tenham acesso a ele. Sou a favor deste estudo para chegar a uma conclusão”, disse.

A presidente Fabiana Costa destacou que foram procurados diversos profissionais para que pudesse se chegar a uma conclusão, mas sem sucesso. “Assino embaixo de tudo o que a vereadora Cristina e o vereador Geovane falaram. Nós procuramos vários profissionais para saber mais sobre o assunto. Ninguém sabe ainda como lidar com essa doença. Nada é comprovado e definitivo. Se lá em cima, que tem cientistas, médicos, doutorados, ainda não tem uma definição, onde nós, um município de 4 mil habitantes podemos chegar? Isso é entre médico e paciente. Eles tem como conversar e decidir o melhor para ele. Não somos nós vereadores que vamos decidir, colocando a comunidade em guerra”.

O vereador Fabiano Homem não se manifestou sobre o pedido.



Copyright © 2021 Jornal Integração.