Conecte com a gente!

Litoral

Distanciamento Controlado: região do Litoral Norte passa para bandeira vermelha

Henrique Pajares

Publicado

em

Devido à piora nos indicadores de propagação da Covid-19 e da capacidade de atendimento do sistema de saúde, cinco regiões migraram para bandeira vermelha na sétima rodada do Distanciamento Controlado. Conforme a análise preliminar, oito regiões tiveram piora na classificação final e, portanto, terão maiores restrições de suas atividades. Porto Alegre, Capão da Canoa (que incluiu Capivari do Sul e Palmares do Sul), Novo Hamburgo, Canoas e Palmeira das Missões, que estavam em bandeira laranja (risco epidemiológico médio) foram para vermelha (risco alto). E três, Pelotas, Cachoeira do Sul e Santa Cruz do Sul, passaram de amarela (risco baixo) para laranja (médio).

O mapa preliminar foi divulgado pelo governador Eduardo Leite em transmissão ao vivo pela internet no fim da tarde deste sábado (20/6), mas associações de municípios podem, conforme os novos ajustes na sistemática do modelo, apresentar recurso em até 24 horas (18h de domingo). Na segunda-feira (22/6), o Gabinete de Crise fará nova análise e divulgará à tarde as bandeiras definitivas, que serão vigentes de 23 a 29 de junho.

Com o avanço da doença, o Rio Grande do Sul apresenta uma predominância de bandeiras laranja e vermelha. Ao todo, 12 das 20 regiões sofreram mudanças nesta rodada. Contudo, segue sem nenhuma bandeira preta (risco altíssimo).

Quatro regiões tiveram redução de risco: Caxias do Sul e Uruguaiana, que eram as duas únicas regiões com bandeira vermelha após revisão de dados pelo governo, apresentaram melhora em indicadores e migraram para bandeira laranja. As regiões de Bagé e Santa Rosa também progrediram, saindo da bandeira laranja para amarela.

As demais regiões não tiveram alteração na sua bandeira final, sendo que apenas a região de Taquara manteve bandeira amarela entre as duas semanas.

Bandeira vermelha: veja o muda

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Redução no teto de operação (número máximo permitido de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no ambiente de trabalho, aplicado a serviços com quatro ou mais trabalhadores) dos serviços públicos não essenciais, restrito a 25% dos trabalhadores.

Serviço de habilitação de condutores com operação restrita a apenas 50% dos trabalhadores.
Serviços públicos essenciais, como segurança e manutenção de ordem pública, política e administração do trânsito, bem como atividades de fiscalização e inspeção sanitária, não têm a operação afetada com a bandeira vermelha.

AGROPECUÁRIA
Produção e serviços relacionados à agricultura, pecuária e produção florestal sofrem redução no teto de operação a 50% dos trabalhadores.

ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
Restaurantes, padarias e lanchonetes deixam de operar na modalidade presencial, ofertando serviços apenas por meio de tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru. Hotéis, por sua vez, passam a operar com apenas 40% dos quartos disponíveis.

COMÉRCIO
Na bandeira vermelha, o comércio de rua e em centros comerciais ou shopping é suspenso, e os estabelecimentos devem ficar fechados. O mesmo ocorre para o comércio de veículos.

Somente poderão operar estabelecimentos que comercializem itens essenciais, como medicamentos, produtos de higiene pessoal, alimentação e transporte. Mesmo assim, farmácias, supermercados e postos de gasolina têm operação reduzida a 50% dos trabalhadores.

Serviços de manutenção e reparação de veículos automotores passam a operar com apenas 25% dos trabalhadores.

Comércio atacadista de itens não essenciais deixa de atender na modalidade presencial. O teto de operação é reduzido a 25% dos trabalhadores, com atendimento exclusivo via tele-entrega, pegue e leve ou drive-thru.

EDUCAÇÃO
A partir do dia 15 de junho, algumas atividades de ensino serão retomadas nas bandeiras laranja e amarela. Na bandeira vermelha, portanto, as atividades de cursos livres ficam suspensas. Nas universidades, somente são mantidas em funcionamento na bandeira vermelha as atividades de laboratório necessárias à manutenção de seres vivos. Demais atividades de ensino seguem na modalidade remota, exclusivamente.

INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
Construção de edifícios, obras de infraestrutura e serviços de construção, por serem considerados essenciais, sofrem apenas redução na operação, passando de 100% para 75% dos trabalhadores na bandeira vermelha.

INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E EXTRATIVA
Passam a operar com apenas 50% dos trabalhadores, à exceção das consideradas essenciais, como alimentação, bebidas, fármacos e de extração de petróleo e minerais, que têm o teto reduzido de 100% para 75% de trabalhadores.

Para atender a essa restrição no total de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no estabelecimento, sugere-se que, além do teletrabalho, as indústrias adotem regimes de escala, rodízio e/ou turnos alternativos para a manutenção da produção.

SAÚDE
No campo da saúde, vital ao enfrentamento da pandemia, os serviços não são afetados. No entanto, recomenda-se a postergação de consultas eletivas.

Serviços de veterinária, porém, têm a atividade reduzida para 50% dos trabalhadores.

SERVIÇOS
Com a bandeira vermelha, ficam fechadas todas as atividades relacionadas à arte, cultura e lazer, incluindo academias de ginástica, clubes sociais e esportivos.

Ficam vedadas também as atividades de captação de áudio e vídeo em teatros e casas de espetáculo, de empréstimo e consulta de itens em museus, bibliotecas e acervos, bem como os ateliês de arte, os quais recentemente foram liberadas nas bandeiras amarela e laranja em teatros.

Parques, jardins botânicos e zoológicos são fechados para atendimento ao público, sendo permitida a operação de 50% dos trabalhadores para manutenção dos espaços e seres vivos.

Serviços religiosos em templos igrejas e similares ficam fechados, não podendo receber o público de fiéis. No entanto, segue sendo permitida a captação de áudio e vídeo dos serviços religiosos, como missas.

Serviços de higiene pessoal (cabeleireiro e barbeiro) não podem abrir na bandeira vermelha, assim como agências de viagens.

Serviços de imobiliários, de consultora e administrativos passam a atender somente via teleatendimento, com no máximo 25% dos trabalhadores presentes no estabelecimento.
Serviços bancários e de advocacia permanecem com atendimento presencial restrito, com no máximo 50% dos trabalhadores.

Por fim, serviços de lavanderia e de reparo e de manutenção de objetos, considerados essenciais, permanecem abertos aos clientes, mas com teto de operação reduzido a 25% dos trabalhadores.

SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
Serviços de edição e edição integrada à mídia impressa, bem como de produção de vídeos e programas de televisão, seguem autorizados a funcionar, com teto de operação reduzido a 50% dos trabalhadores. A atividade de rádio e televisão, porém, não sofre alteração, seguindo com operação de 75% dos funcionários.

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA
Serviços de utilidade pública não sofrem alteração na operação com a vigência da bandeira vermelha, dado sua essencialidade. Seguem atuando com 100% dos trabalhadores.

No entanto, mesmo com 100% de operação permitida, esses estabelecimentos devem respeitar o número máximo de pessoas por ambiente permitido com o distanciamento mínimo obrigatório entre pessoas, isto é, respeitar o teto de ocupação.

Em escritórios pequenos, o limite de ocupação de um ambiente pode levar a um estabelecimento ter menos trabalhadores atuando presencialmente de forma simultânea, mesmo com a operação de 100% autorizada.

TRANSPORTES
O transporte de passageiros passa a operar com apenas 50% dos assentos da janela disponíveis. Sendo ambiente de aglomeração e propenso à disseminação do vírus, esse protocolo de operação deve ser estritamente respeitado nas bandeiras de maior risco.

Litoral

Brigada Militar no Litoral Norte divulga balanço de ações durante ano novo

Henrique Pajares

Publicado

em

O Comando Regional de Polícia Ostensiva do Litoral (CRPO Litoral) divulgou nesta segunda-feira (04/01), balanço das ações da Brigada Militar durante o feriadão do ano novo, nas praias e cidades do Litoral Norte, onde acontece a Operação Golfinho.

No período de 30 de dezembro/2020 a 03 de janeiro/2021 foram abordadas 4.434 pessoas, realizadas 93 prisões, fiscalizados 155 casos de perturbação de sossego público e prestado apoio a agentes municipais de fiscalização em 88 denúncias de aglomerações. Ainda foram fiscalizados 2.669 veículos e autuados 232 deles por irregularidades.

Conforme o comandante do CRPO Litoral, coronel Marcel Vieira Nery, a Brigada Militar pautou suas ações em dois eixos: preventivo e repressão qualificada. “No eixo preventivo, nas praias de maior circulação de pessoas, a Corporação intensificou ações visando ao cumprimento de normas do distanciamento controlado, conjuntamente com as prefeituras, envolvendo a participação das Guardas Municipais, e com a Polícia Civil”, explicou o oficial.

Já sob o aspecto da repressão qualificada, ocorreram a Operação Boas Vindas, com a utilização de cães de faro em terminais rodoviários; Operação Sossego, buscando coibir a utilização de equipamentos sonoros em locais e horários inadequados; e a Operação Avante Força Total 24 Horas, que inclui barreiras policiais em zonas identificadas com maior número de ocorrências e foco na apreensão de armas e captura de foragidos.

O coronel Marcel destaca que durante o feriadão, “a participação do Batalhão de Aviação da BM e o Serviço de Inteligência da Corporação foi fundamental para o planejamento e a execução das ações de polícia ostensiva levadas a efeito”.

Na temporada de verão, a Brigada Militar segue intensificando as ações de segurança pública na Operação Golfinho, caracterizada como a maior mobilização institucional da Corporação, que concentra aporte de recursos humanos e materiais na orla gaúcha.

Continue lendo

Litoral

Municípios do Litoral recebem primeira parcela da Operação RS Verão Total 2021

Henrique Pajares

Publicado

em

O governo do Estado pagou, na terça-feira (24/11), a primeira parcela da Operação RS Verão Total 2021, no valor de R$ 1,8 milhão, previsto na Portaria da Secretaria da Saúde 728/2020. Municípios da Serra, Fronteira e Litoral recebem neste primeiro repasse o equivalente a 50% do valor total, referentes a incentivos nas áreas de vigilância em saúde e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Em Palmares do Sul, o município irá receber R$ 11.330,00 para ações de vigilância em saúde e R$ 40.932,00 para o Samu.

A Operação RS Verão Total destina recursos aos municípios e entidades hospitalares que recebem aumento do fluxo de turistas e da circulação de pessoas na temporada de verão, para dar um aporte aos serviços de saúde que atendem por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

A segunda parcela, que será quitada ainda em 2020, incluirá os incentivos à urgência e emergência hospitalar que funcionam como porta de entrada nos municípios de Capão da Canoa, Osório, Rio Grande, Santo Antônio da Patrulha, Torres e Tramandaí. O valor total que será repassado para esta temporada (2020-2021) será de R$ 5,9 milhões.

Continue lendo

Capivari do Sul

Boa parte de Capivari do Sul ficará sem luz nesta quarta-feira

Henrique Pajares

Publicado

em

A Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE emitiu um aviso de desligamento programado para esta quarta-feira (18) em Capivari do Sul. Boa parte da cidade ficará sem luz a partir das 06h da manhã até às 14h. O motivo é a substituição de postes. Confira abaixo as ruas e avenidas que ficarão sem o fornecimento de energia elétrica neste período.

AV ADRIÃO MONTEIRO – Nº 243 ao 2365
AV ANA PACHECO – Nº 18 ao 1150
AV BRASIL – Nº 70 ao 1300
AV INGLATERRA – Nº 18 ao 198
AV PORTUGAL – Nº 77 ao 693
PRC CAPIVARI – Nº 120
RUA ALEMANHA – Nº 2 ao 611
RUA ANDARAÍ – Nº 162 ao 257
RUA ARTHUR DE AGUIAR BOEIRA – Nº 51 ao 69
RUA ÁUSTRIA – Nº 5 ao 260
RUA BÉLGICA – Nº 5 ao 224
RUA BOM PRINCÍPIO – Nº 184 ao 200
RUA CANADÁ – Nº 30 ao 374
RUA CIDADE MENTANA – Nº 50
RUA CINCO DE JULHO – Nº 20 ao 333
RUA DAS FIGUEIRAS – Nº 145
RUA DINAMARCA – Nº 18 ao 271
RUA DO QUILOMBO URBANO – Nº 89 ao 791
RUA DORVAL DUTRA – Nº 365
RUA DR SERGIO DOS SANTOS PACHECO – Nº 2 ao 500
RUA ESCÓCIA – Nº 17 ao 200
RUA ESTADOS UNIDOS – Nº 35 ao 779
RUA FRANÇA – Nº 5 ao 600
RUA HOLANDA – Nº 5 ao 573
RUA IRLANDA – Nº 15 ao 301
RUA ITÁLIA – Nº 625 ao 922
RUA JOÃO BEM – Nº 81 ao 427
RUA JOSÉ FAUSTINO NUNES – Nº 50 ao 132
RUA NENE VIEIRA – Nº 7 ao 450
RUA NORUEGA – Nº 6 ao 223
RUA PEDRO FAUSTINO NUNES – Nº 131 ao 753
RUA POLÔNIA – Nº 5 ao 137
RUA PROF LUIZ TEIXEIRA – Nº 11 ao 870
RUA SUÉCIA – Nº 6 ao 137
RUA SUÍÇA – Nº 6 ao 601
RUA TIO DUDU – Nº 40 ao 576
RUA VINTE DE SETEMBRO – Nº 25 ao 376
RUA VINTE E DOIS DE OUTUBRO – Nº 146
RUA VINTE E NOVE DE MAIO – Nº 30 ao 300
RUA VOLME MALTA DE CAMPOS – Nº 49 ao 124
RUA VOVÔ FERNANDO PACHECO – Nº 11 ao 517

Continue lendo

EM ALTA



Copyright © 2020 Jornal Integração. Desenvolvido por BLOOPER.