Conecte com a gente!

Geral

Cinco gaúchos de grupos de risco recebem juntos as primeiras doses da vacina contra Covid-19 no RS

Henrique Pajares

Publicado

em

Foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

O enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Rio Grande do Sul ganhou nomes, sobrenomes e esperança. Depois de 10 meses de luta contra um vírus até então desconhecido, às 23h45 desta segunda-feira (18/1), o Rio Grande do Sul não teve o primeiro, mas os cinco primeiros vacinados.

Pertencentes aos grupos de risco prioritários do Plano Nacional de Imunizações, Eloina Gonçalves Born, de 99 anos, moradora do Residencial Geriátrico Donna Care; Jorge Amilton Hoher, 68 anos, médico-chefe do serviço de Medicina Intensiva da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; Carla Ribeiro, 32 anos, da etnia kaingang e residente da Aldeia Fag Nhin, na Lomba do Pinheiro; Joelma Kazimirski, 48 anos, auxiliar de higienização do Grupo Hospitalar Conceição; e Aline Marques da Silva, 40 anos, técnica de Enfermagem CTI Covid do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), se tornaram símbolos do início da imunização no RS.

Os cinco receberam a primeira dose da CoronaVac em um ato simbólico no saguão do HCPA, nos últimos minutos do dia.

De um total de quase 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, o RS recebeu 341,8 mil unidades. Dessas, 170,8 mil – aproximadamente a metade do recebido – serão encaminhadas para o interior, a partir de Porto Alegre, na manhã desta terça (19/1) por via terrestre e aérea, com o apoio da frota de aviões da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

A quantidade remanescente das vacinas ficará armazenada pelo Estado para o posterior envio e aplicação da segunda dose desse público, cuja previsão para aplicação é entre duas e quatro semanas após a primeira aplicação.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

IBGE abre mais de 204 mil vagas temporárias para o Censo 2021

Henrique Pajares

Publicado

em

O IBGE publicou na quinta-feira (18) dois editais para contratar temporária mente 204.307 pessoas para trabalhar na organização e na coleta do Censo Demográfico 2021. São oferecidas 181.898 vagas para recenseador, 16.959 para Agente Censitário Supervisor (ACS) e 5.450 para Agente Censitário Municipal (ACM) em 5.297 municípios do país. Os quadros de distribuição das vagas estão disponíveis para consulta no site do Cebraspe, empresa organizadora dos processos seletivos. Em Capivari do Sul serão 06 vagas para recenseador e uma para ACM. Já em Palmares do Sul serão 12 vagas para recenseador.

As inscrições para ACM e ACS começam nesta sexta-feira (19) e vão até 15 de março. Já para recenseador, as inscrições serão realizadas de 23 de fevereiro a 19 de março. Para concorrer à função de recenseador, o candidato deve ter nível fundamental completo, e para ACM e ACS, ensino médio concluído. No ato da inscrição, o candidato poderá escolher a área de trabalho e em qual cidade realizará a prova. A taxa de inscrição (R$ 39,49 para ACM e ACS, e R$ 25,77 para recenseador) poderá ser paga pela internet ou fisicamente em qualquer banco ou casa lotérica.

As vagas são temporárias e os contratos terão duração prevista de três meses para a função de recenseador e de cinco meses para ACM e ACS, podendo ser renovados de acordo com as necessidades do IBGE e a disponibilidade orçamentária. A contratação temporária é regida pela Lei nº 8.745/1993.

Recenseador terá simulador para estimar remuneração

Os recenseadores são os profissionais que visitarão todos os domicílios do país, entrevistando seus moradores. Eles serão remunerados por produtividade, de acordo com a quantidade de residências visitadas e pessoas recenseadas, considerando ainda a taxa de remuneração de cada setor censitário, o tipo de questionário preenchido (básico ou amostra) e o registro no controle da coleta de dados.
No hotsite do Censo 2021 haverá um simulador em que os candidatos poderão estimar a remuneração a ser obtida, com base nos valores pagos por setor censitário nas diferentes localidades do país. A jornada de trabalho recomendável para os recenseadores é de, no mínimo, 25 horas semanais.

Salário para agente censitário varia de R$ 1.700 a R$ 2.100

São oferecidas 5.450 vagas para agente censitário municipal (ACM) e 16.959 vagas para agente censitário supervisor (ACS). Essas duas funções estão no mesmo processo seletivo e exigem escolaridade de nível médio completo.

Para as vagas de nível médio, os mais bem colocados em cada município ocuparão a vaga de ACM, que será o responsável pela coordenação da coleta do Censo 2021 naquela cidade. Já o ACS supervisiona as equipes de recenseadores. As remunerações dessas duas funções são de R$ 2.100 para ACM e R$ 1.700 para ACS, com jornada de 40 horas semanais, sendo oito horas diárias.

Além do salário, ACM e ACS terão direito a auxílio-alimentação, auxílio-transporte, auxílio pré-escola, férias e 13º salário proporcionais, de acordo com a legislação em vigor e conforme o estabelecido no edital.

Continue lendo

Geral

31ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz ocorre de forma híbrida a partir desta terça

Henrique Pajares

Publicado

em

A 31ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas – safra 2020/2021 ocorrerá a partir desta terça-feira (9/2) e se estenderá até quinta-feira (11) na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão (RS), com o tema “Os novos rumos do sistema de produção”.

O evento, que está programado para acontecer de forma híbrida, com transmissão pela internet, tem como um dos patrocinadores o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), vinculado à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). A programação completa está disponível em www.colheitadoarroz.com.br.

Serão três dias de roteiro técnico nas vitrines tecnológicas, palestras, fóruns, Prêmio Pá do Arroz, feira e dinâmicas. E, às 14h da quinta-feira (11), ocorrerá o ato simbólico da abertura oficial. O secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, estará presente.

Serão ao total oito painéis que discutirão assuntos como o futuro da produção, as opções em sistemas de irrigação, tecnologia e inovação na prática no dia a dia do campo, perspectivas de mercado para o arroz, soja, milho e pecuária, intensificação dos sistemas produtivos, agricultura de precisão e intensificação de pecuária a pasto, entre outros. Também serão abordados temas como logística com questões estratégicas para exportação, além das questões fundamentais envolvendo o meio ambiente.

O objetivo do evento é desenvolver o setor orizícola, reunindo produtores, autoridades, entidades e empresas do agronegócio do arroz com a finalidade de divulgar os avanços científicos e tecnológicos na cultura, além de discutir a realidade socioeconômica do setor em níveis nacional e internacional.

Em janeiro, o governador Eduardo Leite recebeu de representantes do Irga e da Federação das Associações de Arrozeiros do RS (Federarroz), entre outros, o protocolo sanitário para a abertura. O presidente da Federarroz, Alexandre Azevedo Velho, detalhou as diversas ações que serão tomadas visando à proteção contra a Covid-19 das pessoas que comparecerem presencialmente. A estimativa é de 800 visitantes por dia.

A abertura é realizada pela Federarroz, com correalização da Embrapa, e o patrocínio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Continue lendo

Geral

Juiz nega medicamento a Enzo Gabriel

Henrique Pajares

Publicado

em

Após a campanha para arrecadar valores para contribuir no tratamento de Ísis, que foi contemplada com o medicamento Zolgensma, para Atrofia Muscular Espinhal – AME, os voluntários da Campanha AME, em Capivari e Palmares, direcionaram seus esforços em prol do menino Enzo Gabriel, portador da mesma doença. Assim como para Ísis, também foram realizadas diversas ações para capturar recursos para a compra do medicamento, que custa R$ 12 milhões.

No entanto, Enzo não teve a mesma sorte que Ísis, que foi contemplada com o Zolgensma. A família do menino entrou com uma ação judicial para conseguir a liberação do tratamento sob regime de urgência, mas o pedido foi negado. Conforme explicaram os pais, a médica que realizou a perícia disse que o Zolgensma não proporciona cura, e que tanto o Spinraza, medicação que toda criança com AME toma desde o início e é fornecida pelo SUS, quanto Zolgensma, atuam na causa da doença.
Além disso, o juiz considera muito o fato do medicamento ser de alto valor, e por isso indeferiu o pedido de urgência. A família recorreu da decisão.

“Mesmo diante de todos esses acontecimentos tão tristes ocorridos nos últimos dias, nós Voluntários da Campanha AME em Capivari Sul, Palmares do Sul e arredores, viemos colocar a toda população que a campanha não parou, continuamos arrecando fundos, através de algumas ações possíveis de serem feitas ainda em meio a Pandemia da Covid-19 como: pedágios solidários, vendas de lacres, vendas de tampinhas, vendas de garrafas plásticas mais durinhas, entre outras ações, como a rifa do carro Zero Km e doações voluntárias a qualquer momento”, explicou o grupo que coordena a campanha.

Para ajudar, procure um voluntário do seu município, informe-se sobre como você pode doar.

Continue lendo

EM ALTA



Copyright © 2020 Jornal Integração. Desenvolvido por BLOOPER.