Conecte com a gente!

Geral

Colheita da soja e vistorias de Proagro avançam no RS

Henrique Pajares

Publicado

em

Foto: Djonatan Coppetti da Emater/RS-Ascar no Noroeste

Conforme avança a colheita da soja (84% da área) e as produtividades ficam abaixo da esperada, são realizadas as vistorias de Proagro nas lavouras gaúchas financiadas. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (16/04), em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seadpr), as vistorias evidenciam áreas com plantas mortas devido à falta de umidade e às temperaturas altas e lavouras apresentando grãos pequenos e chochos. Na cultura da soja, até esta quarta-feira (15/04), técnicos da Emater/RS-Ascar realizaram 8.900 vistorias de Proagro, 280 nos últimos sete dias. A totalidade de solicitações em culturas e hortigranjeiros chega a 14.013 vistorias.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a colheita da soja se aproxima do final (98%). As lavouras colhidas, afetadas pela estiagem, apresentaram baixa produtividade, aumento da incidência de grãos esverdeados, malformados e de tamanho reduzido, além de baixa umidade do produto colhido. Há preocupação com a reservação de sementes nos estabelecimentos, pois o produto está com qualidade aquém dos padrões; assim, os produtores optaram por não armazenar e adquirir semente na próxima safra. Na região, a comercialização da produção da safra e de estoques de anos anteriores dá preferência para o faturamento do produto depositado em cerealistas e à conservação de estoques nas cooperativas.

Na cultura do milho, as lavouras no Estado estão 2% em floração, 6% em enchimento de grãos, 13% dos cultivos estão maduros e 79% já foram colhidos. Na regional da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, 84% das lavouras já foram colhidas e o rendimento atual é de 7.120 quilos por hectare, com perdas de 11% em relação à produtividade inicial, provocadas pela falta de precipitações e pelo intenso calor, principalmente na região das Missões. As chuvas ocorridas no domingo (05/04), associadas à diminuição das temperaturas, contribuíram para o desenvolvimento das plantas da safrinha, que estão em estágios críticos para necessidade de água. Em geral, as lavouras estão com boa sanidade, com plantas de estatura menor devido à estiagem, porém apresentando boa capacidade produtiva.

Enquanto segue a colheita da soja e do milho no Rio Grande do Sul, a do feijão 1ª safra chega a 93% das lavouras cultivadas na região Sul do Estado, onde foram implantados 2.456 hectares, área menor que a esperada. O principal destino do feijão 1ª safra foi o abastecimento familiar, com comercialização de excedentes nos mercados locais. Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Pelotas, poucas áreas foram destinadas exclusivamente para fins comerciais. Em Tavares, Arroio do Padre, Cerrito, Pinheiro Machado, Piratini, Canguçu, Santana da Boa Vista, Pelotas e São Lourenço do Sul, a colheita está concluída. As perdas médias chegaram a 60% da produtividade esperada. O rendimento das lavouras é variado na região; em São Lourenço do Sul, chegou a 420 quilos por hectare; em Canguçu, a 600 quilos por hectare e em Pinheiro Machado, a 860 quilos por hectare.

Já o feijão 2ª safra, cultivado especialmente as regiões de Frederico Westphalen e de Santa Rosa, a expectativa inicial de produtividade é de 1.800 quilos por hectare, apresentando até o momento perda média de 35%, podendo ser maior nas áreas que atualmente estão em floração e enchimento de grãos. Atualmente na região Norte do RS 18% das lavouras de segunda safra de feijão estão em estágio de desenvolvimento vegetativo, 28% em floração, 36% em enchimento de grãos, 8% em maturação e 10% já foram colhidas. As chuvas ocorridas na semana foram de baixo volume e praticamente não surtiram efeito na cultura. Na região de Santa Rosa, as lavouras do feijão safrinha iniciam a formação de vagens e o enchimento de grãos. Os cultivos vêm apresentando folhas baixeiras amareladas e secas devido à falta de umidade no solo, condição amenizada com as últimas chuvas que ajudaram na recuperação das plantas. Apesar dessa melhora, as perdas são inevitáveis devido ao prolongamento da estiagem na região.

No arroz, apesar da ocorrência de precipitações nas regiões produtoras, o tempo seco que predominou durante a semana favoreceu a colheita, que já alcança 81%. Nas áreas que ainda estão finalizando o ciclo (17% em maturação), a diminuição da oferta de água pelos mananciais tem forçado o racionamento. Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, a colheita avançou durante a semana, chegando a 86% da área cultivada. A produtividade esperada está em 8 mil quilos por hectare, reflexo das adequadas condições de desenvolvimento da cultura durante toda fase de cultivo. As lavouras colhidas inicialmente apresentaram produtividades maiores que a média, compensando a redução das que foram colhidas na semana. Em geral, o tempo tem sido favorável ao estado fitossanitário, resultando em cultivos com pouca incidência de doenças e insetos, além de proporcionar boa sanidade de folhas, colmos e panículas.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Governo do Estado prorroga data do leilão da CEEE-D

Henrique Pajares

Publicado

em

O governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), anunciou a alteração no cronograma do leilão da Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D), que agora está previsto para 31 de março 2021. Além da alteração na data de início da sessão pública do leilão, foi modificada a data para entrega das propostas, que ficou para o dia 26 de março de 2021.

De acordo com o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, a prorrogação foi solicitada por interessados, motivada pela proximidade das datas dos processos de privatização da CEEE-D e da Companhia Energética de Brasília (CEB Distribuição).

“A prorrogação do leilão da empresa CEB-D, que atua na distribuição de energia elétrica no Distrito Federal, colaborou para essa alteração, assim como a realização do Leilão de Transmissão Aneel nº 1/2020 em dezembro de 2020, considerando que há grupos com interesses em ambos os ativos de transmissão e distribuição de energia elétrica”, afirma Artur.

Assim, a prorrogação na data vai proporcionar mais tempo para análises dos investidores em potencial e possibilitar maior chance de sucesso no processo de privatização da companhia.

Continue lendo

Geral

Cinco gaúchos de grupos de risco recebem juntos as primeiras doses da vacina contra Covid-19 no RS

Henrique Pajares

Publicado

em

Foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

O enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Rio Grande do Sul ganhou nomes, sobrenomes e esperança. Depois de 10 meses de luta contra um vírus até então desconhecido, às 23h45 desta segunda-feira (18/1), o Rio Grande do Sul não teve o primeiro, mas os cinco primeiros vacinados.

Pertencentes aos grupos de risco prioritários do Plano Nacional de Imunizações, Eloina Gonçalves Born, de 99 anos, moradora do Residencial Geriátrico Donna Care; Jorge Amilton Hoher, 68 anos, médico-chefe do serviço de Medicina Intensiva da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; Carla Ribeiro, 32 anos, da etnia kaingang e residente da Aldeia Fag Nhin, na Lomba do Pinheiro; Joelma Kazimirski, 48 anos, auxiliar de higienização do Grupo Hospitalar Conceição; e Aline Marques da Silva, 40 anos, técnica de Enfermagem CTI Covid do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), se tornaram símbolos do início da imunização no RS.

Os cinco receberam a primeira dose da CoronaVac em um ato simbólico no saguão do HCPA, nos últimos minutos do dia.

De um total de quase 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, o RS recebeu 341,8 mil unidades. Dessas, 170,8 mil – aproximadamente a metade do recebido – serão encaminhadas para o interior, a partir de Porto Alegre, na manhã desta terça (19/1) por via terrestre e aérea, com o apoio da frota de aviões da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

A quantidade remanescente das vacinas ficará armazenada pelo Estado para o posterior envio e aplicação da segunda dose desse público, cuja previsão para aplicação é entre duas e quatro semanas após a primeira aplicação.

Continue lendo

Geral

Fies oferecerá 93 mil vagas para financiamento estudantil em 2021

Henrique Pajares

Publicado

em

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) vai oferecer 93 mil vagas em 2021. Com isso, o aporte financeiro do Ministério da Educação (MEC) será de R$ 500 milhões para viabilizar as vagas. Esses números estão no Plano Trienal do Fundo de Financiamento Estudantil, publicado no último dia de dezembro.

O plano traz a previsão para os próximos três anos. Nesse período, serão ofertadas, no total, 279 mil vagas. O Fies é o programa do governo federal que tem como meta facilitar o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O período de inscrições para o processo seletivo do Fies para o 1º semestre de 2021 é do dia 26 até as 23h59 de 29 de janeiro de 2021. O resultado será divulgado no dia 2 de fevereiro. Para os pré-selecionados em chamada única, o prazo para complementar a inscrição é de 3 a 5 de fevereiro.

Os candidatos não pré-selecionados na chamada única do Fies podem disputar uma das vagas ofertadas por meio da lista de espera. Todos os não pré-selecionados na chamada única serão, automaticamente, incluídos na lista de espera. A convocação por meio da lista de espera ocorrerá de 3 de fevereiro até o dia 18 de março de 2021.

  • Agência Brasil

Continue lendo

EM ALTA



Copyright © 2020 Jornal Integração. Desenvolvido por BLOOPER.